A Walt Disney Company talvez seja a marca moderna que mais investiu em storytelling (e ganhou com isso). Ao longo do tempo, o trabalho de construção da marca criou ativos emocionais incomparáveis em fidelidade e valor de mercado. Com o passar do tempo, a gravidade econômica da empresa aglutinou outros universos muito poderosos como Marcel e Star Wars.

Este mês a Disney lançou um remake do clássico FANTASIA de 1940. O Fantasia original foi o terceiro filme produzido pelos estúdios Disney, embalados pelas músicas clássicas conduzidas por Leopold Stokowski, sete delas apresentadas pela Orquestra de Filadélfia. Após uma série de tentativas não finalizadas de realizar uma continuação para obra, dentre as quais se destaca Musicana, o sobrinho de Disney, Roy E. Disney, co-produziu a única sequência lançada oficialmente de FantasiaFantasia 2000.

Em “SPRINGTIME”, os amantes do Mickey Mouse se deliciarão com esta homenagem. E, pelo visto, a Disney aprendeu bastante com a Marvel. O curta-metragem está repleto de easter eggs.

Quem é bom de ouvido pode escutar diversos easter eggs, dos quais conto apenas um: quando o campo verdejante é exibido pela primeira vez no filme, ouve-se no fundo uma canção de Mozart – A Flauta Mágica.

Para descobrir as outras pegadinhas os interessados terão que exercitar muito os ouvidos e praticar a concentração – dois itens que praticamente vêm de brinde junto ao “Springtime”.